Podemos dizer que com o avanço e desenvolvimento da sociedade, a convenção de boas condições sociais, tem sido levada muito mais em consideração. O bem-estar é um dos pilares mais bem vistos e aceitos em todas as sociedades, tais como a prevenção de riscos. Podemos ligar essa evolução com nosso cotidiano e até mesmo na nossa rotina. Tomamos muito mais cuidados hoje com coisas que no passado não eram levadas em conta. Infelizmente, o bem-estar nem sempre é levado em conta em alguns aspectos, como o trabalho, por exemplo.

Definimos segurança do trabalho como sendo a ciência que estuda as possíveis causas dos acidentes e incidentes originados durante a atividade praticada pelo trabalhador. Tal estudo tem como objetivo a prevenção de acidentes e até mesmo de doenças causadas pela carga de trabalho. A segurança do trabalho atinge sua finalidade quando consegue proporcionar a ambos, empregado e empregador, boas condições e bem-estar, visando prevenção de riscos e saúde.

Assim como no nosso cotidiano, muitas vezes os trabalhadores não reconhecem ou não sabem dos riscos que estão expostos ao exercer as tarefas. Por isso, é importante falar sobre a segurança do trabalho e como praticar ela pode melhorar os hábitos das pessoas.

Como implementar segurança do trabalho na sua empresa? Como melhorar a conscientização dos trabalhadores? Siga abaixo…

Primeiro as lideranças precisam ter um mínimo conhecimento de segurança junto ao departamento de RH, sendo indispensáveis para implantação de técnicas que facilitarão o planejamento e execução. Os setores devem estar alinhados em conjunto, aprendendo sobre algumas áreas (como medicina do trabalho e normas e medidas de segurança, por exemplo) com o objetivo de melhorar o bem-estar e a qualidade de vida dos colaboradores.

A parceria entre líderes e o RH é fundamental para a segurança ser implementada na empresa. Após, é necessário um cargo especifico para um profissional que seja responsável por coordenar as atividades e segurança, saúde e ambiente da empresa, sendo um cargo de liderança focado em segurança do trabalho, muitas empresas tem esse cargo que é chamado de gestor em segurança do trabalho.

Outros profissionais também podem ajudar e auxiliar na segurança, mas isso também depende do tamanho da sua empresa e do número de funcionários, como: Médico, Enfermeiro e até mesmo Engenheiro de Segurança do Trabalho.

Depois de um planejamento e implantação da segurança do trabalho, você precisa conscientizar seus colaboradores. De nada adianta ter um bom plano, mas sem ser colocado em prática. Na execução das atividades, os trabalhadores envolvidos estão diariamente expostos a riscos, sendo necessário tomar precauções para evitar acidentes.

Por isso promover a segurança do trabalho entre funcionários é tão importante quanto os objetivos da empresa. Divulgar informações, fiscalizar o cumprimento das normas e oferecer treinamentos são algumas formas de fazer isso.

Quais os benefícios que a segurança do trabalho pode dar aos colaboradores e funcionários?

– Redução de Custos: a implementação tem seu preço, mas com certeza o custo com afastamentos e danos a máquinas são maiores.

– Produtividade e Qualidade de Vida: ambiente com boa qualidade de vida ajudam na motivação, engajamento e também produtividade.

– Reputação da empresa: empresas preocupadas com colaboradores e funcionários são bem vistas no mercado de trabalho.

Existem normas para regulamentar a segurança do trabalho?

Com certeza! O setor de saúde e segurança do trabalho é orientado por uma série de regras. As Normas Regulamentadoras, conhecidas pela sigla NR, são algumas delas. Toda empresa pública ou privada que tenha funcionários regidos pela CLT (Consolidação das Leis do Trabalho) deve segui-las. Existem 36 NRs aprovadas pelo Ministério do Trabalho e Emprego, tratando da segurança em diferentes aspectos, como indústria, agricultura, mineração, entre outros. Você pode conferi-las aqui.

Todas essas maneiras facilitam a implementação e a qualidade de vida de funcionários e colaboradores. Junto ao RH e os responsáveis pela segurança, inclua todos os funcionários nesse processo.

Como vimos, a segurança está relacionada a vários conceitos, mas principalmente 3: risco, continuidade e confiabilidade. Dentro de uma empresa, garantir que esses conceitos sejam aplicados a favor do empregador e empregado, favorece e desenvolve a sociedade e as pessoas como um todo.

O que é Ergonomia?

Ergonomia visa o bem-estar do colaborador nas tarefas laborais, que em consequência, promove dias mais produtivos, além da prevenção de lesões por esforço repetitivo (LER) ou acidentes de trabalho.
Com a Indústria 4.0 tomando cada vez mais espaço, o ambiente de trabalho é o mais afetado para o colaborador que precisa estar bem acomodado para executar as diferentes atividades do dia-a-dia.

 

Como você pode se atentar à ergonomia no trabalho?

Quando não temos o costume de alguma atividade, fica difícil incorporá-la no dia-a-dia, principalmente quando a atividade parece que não dá resultado, e uma ótima dica é parar por uns 5 minutos durante o dia de trabalho e fazer alguns exercícios de alongamento (espreguiçar) e respiração. Atividade que vai relaxar seu organismo e fazer você se sentir melhor quando terminar. Muitas empresas têm adotado esse procedimento através de paradas obrigatórias com o acompanhamento de um profissional de educação física ou fisioterapeuta, por exemplo.
Já falamos aqui no blog também, das 5 maneiras de reduzir custos na sua empresa, e um dos tópicos foi a respeito da disposição dos materiais no ambiente de trabalho, que influência diretamente no rendimento do funcionário.
Além da postura precisamos nos atentar a disposição dos móveis, utilização das máquinas e equipamentos, pois também são fatores que atenuam ou aceleram o desenvolvimento da empresa, e consequentemente diminuem ou aumentam o lucro no fim do mês. Muitas vezes, uma pequena alteração no ambiente ou uma otimização em algum maquinário, resultam em um melhor aproveitamento nos processos da empresa, tanto para os funcionários quanto na redução de custos com manutenção de máquinas para a mesma.

 

Por que você precisa de ergonomia no trabalho?

Não apenas no trabalho, mas em qualquer atividade que necessite esforço físico ou que seja frequente, exige-se que seja feito de maneira a não desgastar algum músculo, articulação ou prolongar os ciclos dos equipamentos utilizados. É questão de saúde e também de redução de custos.
Analisar o funcionamento das máquinas, se atentar ao manuseio destas pelos colaboradores, prestar atenção em como se levanta um objeto do chão, até mesmo onde você deixa seu telefone, também podem prejudicar no seu desempenho. Essas simples atividades parecem inofensivas, mas o somatório de diversos pequenos erros ao longo de um grande período de tempo, podem resultar tanto em uma lesão em um funcionário quanto em um mal funcionamento de um equipamento, ambos não produzindo de maneira eficiente.

 

Que benefícios um ambiente ergonômico pode trazer?

Quando um colaborador está cercado de conforto, tanto em escritório quanto em chão de fábrica, ele se sente menos cansado, tem menos incidência de doenças imunológicas e se sente mais motivado a se desenvolver mais e produzir mais pela empresa. E quando este produz mais e com mais qualidade, tanto o empregado quanto o empregador são beneficiados, pois o resultado do bom desempenho refletirá diretamente no lucro e desenvolvimento da empresa como um todo.

Com a modernidade, os processos industriais vêm sendo cada vez mais explorados com o objetivo de melhorar o desenvolvimento dos produtos e também padronizar etapas, gerando maior lucro com menos trabalho. A busca pela implementação de sistemas de gestão da qualidade, atua diretamente como uma forma de melhorar a qualidade de seus produtos e serviços.

E como esse processo de modernização está ligado com a parte de gestão da qualidade? Simples, a organização dos processos de qualquer departamento da empresa (ou dela toda), com padrões mínimos para o desempenho das atividades, cria um modelo de excelência que serve como guia para alcançar os melhores resultados. Para ser mais direto, utilizando um bom sistema de gestão da qualidade, a organização consegue controlar e melhorar qualquer processo de forma mais rápida e simples, atuando assim como uma ferramenta ótima para beneficiar a empresa.

A partir daí, entendemos a importância de um bom sistema de qualidade, e como estudar a empresa e fazer com que exista um controle que possibilite garantir a qualidade nos processos e serviços? Um pouco mais complicado, mas alcançável…

Implementar um tipo de sistema de gestão da qualidade pode ser complicado, dependendo do tamanho da empresa e dos processos, mas quanto mais desafiador, mais eficiente ele pode vir a se tornar. Para ter como base, o mais importante é considerar que a qualidade só traz benefícios, podendo ser diretos ou indiretos.

 

Figura 1

A qualidade nas empresas têm como referência a certificação emitida pela International Standardization Organization (ISO). Não há outro caminho para implementar a qualidade que não passe pela certificação da ISO.

A principal, que engloba processos de um modo geral, aplicável a diversos tipos de empresas, é a certificação ISO 9001. Existem outros certificados, mas fogem um pouco do foco geral.

E quais são os critérios para a concessão do selo ISO 9001? Para que ele seja concedido a uma empresa, deverão ser atendidas exigências nos seguintes campos:

– Foco no cliente

– Liderança

– Envolvimento das pessoas

– Abordagem por processos

– Abordagem sistêmica

– Melhoria contínua

– Decisões baseadas em fatos

– Relacionamento com fornecedores

Para garantir a conformidade, as empresas precisam implementar um Sistema de Gestão de Qualidade (SGQ). A partir do momento em que efetiva um SGQ, os processos são padronizados, o que permite medir com mais precisão os resultados.

Figura 2

Portanto, garantimos que o controle e gestão da qualidade caminhando juntos de forma efetiva podem, diretamente ou indiretamente, melhorar o desenvolvimento da empresa. A utilização de tal ferramenta permite que os processos possam ser cada vez mais sofisticados, dando para empresa, para seu produto ou até mesmo para o seu cliente uma satisfação muito grande. Empresas com gestão da qualidade implementada da forma correta, tendem a colher bons frutos em um tempo menor do que empresas que não utilizam dessa ferramenta. Você já deve ter escutado alguém dizer “tempo é dinheiro”, hoje descobrimos que “gestão da qualidade também é dinheiro”.

 

 

A Indústria 4.0 se baseia em um conceito simples, englobando as principais inovações tecnológicas que estão em constante mudança. Mas antes de realmente conceituar a Indústria 4.0, precisamos introduzir o contexto de Revolução Industrial.

A 1ª Revolução Industrial aconteceu em 1780, com o aprimoramento de máquinas a vapor e a criação do tear mecânico. 90 anos depois, a 2ª Revolução Industrial se apresentou, tendo como base a utilização do aço, da energia elétrica, motores elétricos e também combustíveis derivados do petróleo. 100 anos depois, uma nova Revolução Industrial aparecia, a 3ª no caso, partindo do avanço da eletrônica, utilizando sistemas computadorizados e robóticos para manufatura. Chega de Revolução Industrial? Não! Como estamos atualmente? Passando pela 4ª…

É isso mesmo, estamos na Quarta Revolução Industrial, passando por inovações tecnológicas em diversos campos, sendo de controle e automação, tecnologia, informação e também otimização e eficiência nos processos de manufatura.

E como a 4ª Revolução Industrial está ligada a Industria 4.0? O processo de industrias que utilizam essas novas tecnologias para se tornarem mais eficientes, autônomos e customizáveis faz com que elas estejam passando pela 4ª Revolução Industrial, participando ativamente desse processo e estando sempre em constante mudança.

 

Figura 1: A imagem representa bem as áreas em que a Industria 4.0 é composta.

Muito provavelmente você já viu ou ouviu que é possível controlar carros e fazer cirurgias remotamente, através de aplicativos online e programas mais complexos de desenvolvimento. Estamos cercados de novas tecnologias e a todo o momento chega algum produto inovador facilitando ainda mais nossa vida.

Você já deve ter percebido que muitos dos maquinários que existem hoje são automatizados para facilitar o dia-a-dia das pessoas, padronizar produtos e principalmente manter os operadores em segurança.

Felizmente ou não, muitas máquinas estão fazendo o que as pessoas fazem de maneira mais rápida e com mais precisão, gerando desemprego. Em contrapartida, estimula as pessoas a se atualizarem em relação a tecnologia e procurar desenvolver novas habilidades para poderem manipular essas novas máquinas.

Quem atinge? Todos nós somos atingidos por vários níveis de tecnologia, sendo conversar por telefone móvel, enviar arquivo de trabalho online, até vídeo chamada já é comum a maioria das pessoas e a maioria delas não consegue viver sem essas facilidades que já estão impregnadas na nossa vida.

Figura 2: Interconectividade, Informação e Automatização.

E se tratando de tecnologia, a engenharia é quem mais mostra resultados, pois além de otimizar máquinas, ela necessita alinhá-las com softwares para gerenciar as atividades realizadas. Cada vez mais, essa automatização fica mais limpa e de fácil manipulação.

 

Por fim, concordamos que a Industria 4.0 é um processo fundamental para o desenvolvimento e evolução da sociedade, apesar de diminuir a mão de obra das pessoas, as qualifica. Tornando a Indústria um ambiente cada vez mais competitivo e inovador. Por isso sugerimos que você, tanto empresário, quanto funcionário de uma empresa, busque e se mantenha conectado com a inovação e seja resiliente com as mudanças que o mercado pode proporcionar.

Você já ouviu falar sobre Engenharia Reversa? Acredito que sim! E consegue me dizer o que é? Se sua resposta for não, esse texto é para você. Depois de ler até o fim, volte para esse começo e refaça essas perguntas, com certeza terá respostas.

Quando desmontamos um brinquedo ou um aparelho que quebrou para ver seu funcionamento, ou mesmo por curiosidade e depois remontamos, temos o processo de Engenharia Reversa acontecendo. Quando criança, não tínhamos a preocupação em economizar dinheiro, e consequentemente não percebíamos que aquela simples curiosidade de desmontar algo realmente importava.

Foto 1: Brinquedo montado e desmontado.

 

Muitas vezes escutamos o termo “Engenharia Reversa”, no trabalho, na faculdade e até mesmo em rodas de conversa com amigos e parentes. Mas por que esse tema tem despertado tanto o interesse e a atenção de tantas pessoas e até mesmo grandes empresas no século XXI? Simples, a Engenharia Reversa tem sido uma forma muito fácil de reconhecer os pequenos processos que juntos, formam um projeto como um todo, que por meio de pesquisas e estudos tem como uma das principais importâncias avançar o conhecimento tecnológico das pessoas com foco nas atividades técnicas exercidas.

Sendo assim, a Engenharia Reversa vem ganhando muito espaço no mercado, principalmente por ser uma forma de baratear (ou diminuir) custos e aperfeiçoar um produto de acordo com a demanda do cliente.

Mas como funciona?

Como já dito, durante o século XXI, cada vez é mais valorizado formas de otimizar produtos e vende-los com qualidade mas ao mesmo tempo com um baixo custo. Para a indústria, o processo não é diferente, a melhoria dos produtos acontece através dessa técnica, cujo resultado reflete sob os lucros e aumento de vendas, consequentemente. Por exemplo, a China e o Paraguai são referências na engenharia reversa no mundo, pois seus produtos são reproduzidos de forma mais barata e simplificada do que os originais.

 

Como pensar em Engenharia Reversa de forma simples?

Se você tem como objetivo facilitar o dia a dia empresarial e desenvolver sua empresa, por meio da diminuição de custos, melhor aproveitamento de matéria prima ou até mesmo utilizar materiais de formas mais sustentáveis, será necessário se aperfeiçoar e fazer uma análise de como a Engenharia Reversa pode impactar sua empresa ou produto.

Um exemplo simples e prático… Participamos do desenvolvimento de um projeto chamado Calango, cujo objetivo foi sua otimização. Assim, o projeto foi recebido “finalizado” e a partir dai fizemos um processo de desconstrui-lo para entendermos um pouco melhor seu funcionamento e conhecer maneiras mais vantajosas de aperfeiçoa-lo para suprir a necessidade do cliente. Se encaixando perfeitamente como um exemplo de engenharia reversa. Você pode conferir um pouco mais sobre o desenvolvimento do projeto clicando aqui.

Foto 2: Projeto Calango.

Dúvidas ou sugestões? Entre em contato conosco, será um prazer tornar sua ideia possível.

 

4 Passos Para Patentear o Seu Produto

 

Você já teve uma ideia inovadora de um produto? Ou até mesmo uma ideia  de melhoria de um sistema de produção? Você já quis ser o dono disto e ter totais direitos sobre esta ideia? Se respondeu sim para qualquer uma destas perguntas, continue lendo, por que este texto é para você.

Se você inventou uma nova tecnologia, sendo essa um produto ou um processo, você tem o direito de buscar uma patente para este. Mas o que é uma patente?

Patente é uma concessão pública, conferida pelo Estado, onde garante ao titular a exclusividade de explorar comercialmente a sua criação, impedindo que terceiros fabriquem, usem, vendam, ofereçam ou importem a invenção, sem a permissão do titular. Entretanto, firmando a patente, todos os dados do invento são disponibilizados ao acesso público.

Existem dois modelos de patentes, a PI (Patente de Invenção) e a MU (Patente de Modelo de Utilidade). A primeira se refere a produtos ou processos totalmente novos. Já a segunda, se refere a aplicações industriais, onde existem melhorias de um produto ou um processo. A primeira tem uma validade de 20 anos a partir da data do depósito e a segunda, 15 anos.

Não é necessário ter um protótipo deste invento, deve-se apenas ter a documentação necessária requerida e que será melhor descrita posteriormente. Além disto, não é possível patentear apenas ideias, é necessário apresentar algo concreto, seja um protótipo fabricado ou o projeto do seu produto.

COMO FAZER A SUA PATENTE?

Antes de entrar com o processo de documentação para a sua patente, pesquise se o que pretende solicitar já não foi protegido por outras pessoas. Você pode realizar esta busca pelo próprio site do INPI (Instituto Nacional de Propriedade Intelectual), órgão responsável pela firmação de patentes no Brasil. Tendo feito a avaliação e confirmado que não existe nada igual patenteado, pode seguir para a próxima etapa.

PAGAMENTOS E DEPÓSITOS

Antes de tudo, para fazer o pagamento das taxas processuais, deve ser feito o cadastro no e-INPI, clicando aqui. Fazendo este cadastro você pode emitir a Guia de Recolhimento da União, para dar início no processo de documentação. Pessoas físicas e microempresários, entre outros, têm direito a desconto.

REALIZANDO O PEDIDO

Você deve reunir todos os documentos que serão passados após o pagamento da GRU, como conteúdo técnico, relatório descritivo, quadro reivindicatório, listagem de sequências (para pedidos da área biotecnológica), desenhos (caso necessário) e resumo, formulário FQ001 (fornecido pelo INPI e o comprovante de pagamento da GRU.

Os documentos podem ser entregues através de correspondência ou de maneira digital. Sendo já avisado pelo INPI, que os documentos digitalizados, apresentam uma tramitação processual mais rápida.

ACOMPANHAMENTO

Todo o processo de patenteamento passará por diversas etapas, podendo exigir o envio de novos documentos. Passando inicialmente por um Setor de Exame Formal, que irá verificar a formalidade de todos os documentos. Caso necessário o reenvio de algum documento, o solicitante da patente tem 30 dias para o envio, caso contrário o pedido é anulado.

Caso o pedido esteja dentro dos conformes, ele será mantido em sigilo por 18 meses a partir da data do depósito. Após o período do sigilo, será encaminhado para um examinador de patentes. Nesta última, será solicitado uma manifestação sua antes da decisão.

Consulte regularmente a Revista de Propriedade Industrial (RPI), para ter informações constantes (esta é a plataforma de informações onde poderá ver o andamento do seu processo). Você também pode incluir o seu processo em “Meus Pedidos”, desta forma o sistema avisará para você através de um e-mail todas as vezes que ocorrerem movimentações.

Em relação aos custos, existem taxas para o pedido de exame e para a expedição da carta-patente (documento que oficializa a sua patente), que pode custar de R$150,00 a R$500,00. Após o 24º mês de depósito, é pago uma anuidade, que pode custar de R$80,00 a R$1950,00.

 

Agora que você já sabe como patentear o seu produto, não perca mais tempo e não perca a chance de entrar nesse mercado que movimenta milhões de reais todos os anos apenas no Brasil. E caso você ainda não tenha a sua ideia desenvolvida e quer garantir que ela esteja dentro de todas as normas técnicas necessárias, entre em contato com a nossa equipe, estaremos ansiosos em lhe ajudar.

8 motivos para fazer um projeto de Modelagem Técnica

Pessoas em geral, costumam fazer planos para atingir seus objetivos. Podemos dizer que nada cai do céu, e que dificilmente, sem organização é possível atingir bons resultados.

Visto isso, quando uma nova ideia é colocada em prática, mais especificamente um projeto, nada melhor que seguir um passo a passo e um cronograma bem detalhado.

Estruturamos um projeto em 4 partes, sendo Iniciação, Planejamento, Execução e Finalização (nós já falamos disso aqui no blog, Projetos Mecânicos, 4 Etapas Para Uma Solução).

Falaremos um pouco sobre as duas partes que compõem a Modelagem Técnica, os desenhos 2D e 3D, que entram na etapa de Execução de um projeto, e o quão importante esse processo significa para que obtenha ótimos resultados.

Os desenhos 3D, dimensionam e proporcionam uma visão mais real do projeto, sendo representados em 3 dimensões (x, y e z). Já os desenhos 2D são, nada mais que, formas de representação de um projeto em 2 dimensões (x e y). Em outras palavras, é uma forma de colocar sua ideia no papel. Muitas vezes, após a etapa de Planejamento, a parte prática de elaboração ainda acaba não sendo muito vista. Sendo assim, a Modelagem Técnica, acabam dando essa realidade, aplicando um pouco mais de prática na teoria.

Uma das partes mais complicadas na elaboração de um projeto é a de Custo x Benefício. Essa é uma análise que precisa ser levada muito em conta para que você atinja resultados esperados. Dessa forma, é essencial que riscos desnecessários sejam abolidos. Os desenhos 2D e 3D proporcionam uma diminuição nesses riscos, vendo diversos aspectos, como:

1 – Facilitam o entendimento do projeto:

Modelagens bem desenvolvidas evitam confusão de analisadores, dão mais clareza para interessados e o ponto mais importante, evitam erros na hora da fabricação, o que está diretamente ligado a diminuição de riscos desnecessários.

2 – Favorecem a concretização de um projeto:

Os desenhos 2D e 3D são, muitas vezes, a primeira parte prática após a teoria, isso possibilita que a elaboração seja feita de um forma mais livre e menos engessada. As ideias serão realmente colocadas em pratica e testadas nesse momento.

3 – Enriquecem a Execução:

Por ser um processo muito importante nessa etapa, a Modelagem Técnica faz com que a continuidade da Execução seja aperfeiçoada, é possível realizar simulações em softwares avançados e então realizar melhorias no projeto.

4 – Diminuem a carga de trabalho:

Bons desenhos geram menos trabalho, a partir do modo que novos testes e redesenhos sejam desnecessários visto que existe um desenho bem feito.

5 – Aumentam a qualidade:

Boas Modelagens dão qualidade e certificação de bons caminhos para a finalização de um projeto. Quanto melhor a qualidade do projeto, melhor seu produto final.

6 – Melhoram a precisão:

Modelagens em geral costumam apresentar projetos com uma precisão muito grande, podendo até mesmo servir de base para projetos tanto de pequena quanto de grande escala.

7 – Permitem Análises Técnicas e Estruturais:

Os desenhos 3D, principalmente, fornecem análises estruturais ligadas a danos e esforços, essa ferramenta permite que você faça simulações e possa escolher um melhor material para seu projeto, por exemplo.

8 – Impressão 3D:

Uma das grandes inovações dos últimos tempos, a impressora 3D é capaz de criar tudo que é desejado, no entanto, isso não é possível se não existir uma modelagem que seja colada para impressão e execução da máquina.

Ao desenvolver seu projeto, fica muito claro as vantagens de ter o processo de desenhos 2D e 3D, na etapa de Execução, bem feitos. Sendo diminuindo os custos, ou até mesmo a carga de trabalho, dando qualidade e eficiência a etapa de Execução e também proporcionando solidez no projeto. Isso tráz garantia para que ele saia do papel de uma forma consistente e atinja resultados esperados.

A CoemJr, tem como um de seus principais serviços Desenhos e Modelagens Técnicas. São mais de 20 anos de experiência nesse serviço, e uma constatação: por trás de um excelente projeto, existem excelentes desenhos 2D e 3D. Contrate nosso serviço, teremos o orgulho de contribuir para elaboração do seu projeto.

Você sabe o que é memorial de cálculo? Olhando esta pergunta nós imaginamos que seja algo muito complexo e que parece ser impossível de se fazer, certo? Bom, vou tentar te mostrar que isso não é verdade e que este termo é muito importante para o desenvolvimento de um projeto.

De modo geral, o memorial de cálculo nada mais é do que um documento oficial, o qual consta toda a metodologia desenvolvida para a elaboração do projeto.

O memorial de cálculo deve ser elaborado de modo a conter todas as informações referentes aos cálculos desenvolvidos ao longo do projeto, as medidas e normas que foram utilizadas e seus resultados obtidos.

Em casos de fiscalização, é um dos documentos que será exigido, pois ele é a garantia de que o projeto foi realizado dentro de todas as normas vigentes. Portanto, durante sua elaboração, devemos levar em consideração a variedade de normas existentes para cada tipo de produto.

Sendo assim, requerir um memorial de cálculos junto a entrega de um projeto, é de suma importância para:

– Garantir a segurança do projeto.
– Facilidade de alterações futuras no projeto. Com o memorial de cálculos, toda a metodologia para o desenvolvimento de um produto é documentada, tendo claro o que e como o projeto foi realizado.
– Gestão de conhecimento para o desenvolvimento de produtos. Uma vez que troque o responsável por desenvolver um produto dentro de uma empresa, por exemplo, outra que assuma esta atividade já terá toda a documentação pronta para a execução de um novo projeto.
– Adequar as normas para realização de um projeto.
– Facilitar a detecção de erros em projetos.
– Gerar melhorias e correções.

Através deste o cliente tem a segurança de que o produto está apto a atuar no mercado, garantindo o resguardo das pessoas que irão utiliza-lo.

Desse modo, é um documento obrigatório dentro da engenharia, tido como pré-requirisito dentro das NBRS existentes.

Existem duas formas de aumentar o lucro de uma empresa, pode-se aumentar o preço de venda de um produto, o que pode comprometer sua competitividade no mercado, ou pode-se reduzir os custos para produção do produto ou realização do serviço. Desta forma, a CoemJr separou estas 5 dicas úteis que podem ajudar a reduzir os custos e garantir um melhor aproveitamento do seu dinheiro.

 

1 – Avaliação do ambiente de trabalho

O 5S é uma técnica japonesa muito utilizada pelas empresas para reavaliação do ambiente sobre costumes adotados e organização dos materiais e ferramentas. Mas como ela funciona? Essa metodologia consiste em separar o que é usado do que não serve para nada, depois organizar materiais de acordo com a necessidade de utilização, higienizar o ambiente para evitar acidentes e causar mais conforto para o colaborador, padronizar processos para que todos executem da mesma maneira e finalizar tornando essa ‘receita’ uma rotina diária. E o que eu ganho com isso além de um ambiente mais limpo? Quando seguida com disciplina, diminui desperdícios, aumenta à produtividade dos funcionários, melhora a qualidade dos serviços prestados e consequentemente gera um maior lucro para a empresa. Seu principal objetivo é inserir a empresa num ciclo de melhoria contínua a qual atinge tanto a empresa quanto o rendimento dos próprios colaboradores.

 

2 – Just In Time

Quando se tem uma procura alta por determinado produto, a primeira ideia é manter um grande estoque dele, porém, isso requer custo desnecessário para armazenamento, por isso, o Just In Time surgiu de maneira a adaptar o fluxo de produtos conforme a demanda de mercado, mas principalmente para atender apenas aquela demanda no momento em que ela é necessária. Uma tradução aproximada seria ‘na hora’.

“Legal, mas como pôr em prática?”

É necessário conhecer todos os processos que a matéria-prima passa até chegar ao produto final, cada intervalo de tempo de cada processo, de maneira a padronizar e eliminar o gargalo, mantendo apenas um estoque mínimo.  Por onde eu começo? Ter um controle sobre a quantidade de produtos que são vendidos e acompanhar quedas e aumentos nas quantidades no decorrer de um período também facilitam a projeção mais exata para o Just In Time. O resultado é redução de custo com estoque e mais espaço para realização de outras atividades.

 

3 – Gerenciamento de estoque

Ainda se tratando de estoque, se for indispensável à sua empresa manter alguns produtos armazenados, é importante adotar uma metodologia para entender como funciona o seu fluxo de mercadorias e classificar cada produto pela importância que ele de fato tem.

“Mas como posso fazer isso?”

Há um recurso chamado Curva ABC que pode te ajudar a entender de forma estratégica quais são os produtos mais importantes com base em sua contribuição para a renda total da empresa no período que lhe for mais cabível. Assim, você poderá descobrir que produtos estão na categoria A (até 80% das vendas), B (até 15% das vendas), ou C (até 5% das vendas) e então repensar seu estoque de forma que menos dinheiro será gasto em produtos que não dão tanto retorno e que nunca faltem os produtos que vendem mais.

 

4 – Maquinário

Se sua empresa trabalha com máquinas é sempre importante manter tudo em ordem e com a manutenção em dia, na maioria dos casos, elas são responsáveis pela maior parte do consumo energético da empresa à qual pertencem. Portanto, considere sempre a aquisição de um modelo mais novo como um investimento e não como um gasto, pois a economia energética pode virar ao seu favor a longo prazo.

“Mas eu não tenho capital suficiente para comprar uma máquina nova…”

De fato, esta ação vai te custar um dinheiro que talvez você não tenha no momento, porém, há outras formas de tomar conta do seu maquinário e deixar tudo rodando nos trinques. A CoemJr oferece serviços de otimização de maquinário, em que um estudo de eficiência somados à experiência e pensamento lógico pode resultar na economia de uns bons trocados que você poderá investir futuramente na sua produção e se sobressair ainda mais no mercado.

 

5 – Evitando o Scope Creep

Um Scope Creep é qualquer alteração que é feita durante a execução de um projeto. Infelizmente, uma das suas consequências é aumentar o tempo previsto para finalização de um projeto, seja acrescentando novos tópicos ou sofrendo com situações não previstas que se tornaram problemas a mais para serem resolvidos. E como acontece na prática? Digamos que tivemos a ideia de abrir uma barraquinha de cachorro-quente, a princípio, a preocupação é comprar os equipamentos necessários para fabricar o lanche no carrinho ou barraca. Porém, enquanto estamos fazendo esse levantamento, pensamos em melhores opções — embalagem, molhos, opções para veganos — o que vai acrescentando valor no produto final e atrasando sua entrega, quando na realidade, precisamos focar na ideia inicial, já que é um investimento que poderá demorar a dar retorno. É necessária muita disciplina para seguir um plano sem alterá-lo, mas é o primeiro passo para obter sucesso na finalização de cada etapa.

 

Mas como eu consigo saber qual a melhor metodologia para aplicar? A CoemJr pode te auxiliar da melhor maneira, pois existem diversas técnicas para atenuar gastos. Nós podemos adaptar alguma ou combinar várias ao mesmo tempo para alcançar o melhor resultado, para isso, precisamos marcar uma reunião onde discutiremos quais os objetivos da sua empresa e qual a situação em que ela se encontra para podermos, juntos, traçar o melhor caminho. Quando estabelecido um acordo de colaboração entre os envolvidos e principalmente mostrado como o novo procedimento pode afetar o rendimento de todos e não apenas aumentar o lucro da empresa, o resultado pode ser levado para fora do ambiente empresarial, motivando cada um a ser uma pessoa mais organizada e focada. Isso aumenta a sua qualidade de vida, tanto empresarial quando pessoalmente e, consequentemente, aumentando a qualidade do produto ou serviço oferecido, tornando a empresa mais competitiva. E nós, da CoemJr, disponibilizamos a oportunidade de poder agregar valor ao seu produto através dos nossos serviços de Análises Térmicas, Controle e Automação, Desenhos e Modelagens Técnicas, Desenvolvimento de Testes, Estudo Técnico, Memorial de Cálculo, Otimização de Custos, Otimização de Máquinas, e Solução em Fabricação. Agende uma visita para discutirmos seu desenvolvimento para um negócio ainda mais lucrativo.

O que é um projeto?

Esta pergunta nós fazemos com muita frequência quando um professor, cliente ou nosso superior solicita um projeto. Mas vamos pensar um pouco? Se realizarmos algumas pesquisas rápidas no Google iremos descobrir que existe muitas definições para “Projeto”, mas qual é a certa? A resposta certa é “depende”. Cada definição foi criada com um objetivo e depende da perspectiva/propósito que você ou quem solicitou precisa. Vamos pegar alguns exemplos para simular um projeto:

  • Reforma da casa;
  • Casamento;
  • Viagem;
  • Carro;
  • Um(a) companheiro(a).

Sim, podemos considerar os exemplos acima como um projeto, pois demandam de um início, meio e fim para que seus objetivos possam ser alcançados. Todo projeto precisa ter seus passos bem definidos. Alguns autores consideram que o PMBOK (guia do conhecimento em gerenciamento de projetos) é uma das ferramentas mais eficazes para sua elaboração. Tomamos como ponto de partida um passo a passo dos projetos mecânicos realizados na CoemJR, veja a seguir.

 

Por onde começar?

Os projetos são divididos em 4 etapas principais que podem ter durações diferentes dependendo de cada situação, elas são: iniciação, planejamento, execução e finalização. Estas etapas não acontecem separadamente.

A etapa de iniciação é quando surge a ideia ou necessidade que motiva o projeto. Nessa etapa ocorre o primeiro contato com o cliente e é feito um pré-projeto para esclarecer o propósito e as atividades que o projeto abrange, além de analisar a sua viabilidade. Estabelecidos esses parâmetros, faz-se um planejamento para direcionar o projeto e torná-lo gerenciável, identificando o tempo de duração e os recursos necessários para sua execução. No caso da CoemJr, e de outras muitas empresas, este é o momento em que são estudados o número de horas necessárias para a execução, os softwares que serão utilizados, as pesquisas que deverão ser feitas ou até mesmo os professores que deverão ser contatados para supervisão, no caso de uma empresa júnior.

Podem ser utilizadas ferramentas como o conceito de Work Breakdown Strategy (WBS), um método para dividir o trabalho em tarefas mais direcionadas e gerenciáveis, para definir uma abordagem mais convergente referente a cada parte do projeto; e o conceito de Gantt, um gráfico usado para ilustrar as etapas de um projeto. O ConceptDraw é um exemplo de software que se destina à construção e elaboração de um WBS, durante o planejamento.

 

Mãos à obra!

A execução é onde as coisas realmente sairão do papel e serão colocadas em prática. Nesta etapa, visa-se a realização das tarefas estabelecidas durante o planejamento de forma adequada. O controle dessas tarefas ganha muita importância em projetos de desenvolvimento de um produto; quando a CoemJr lida com clientes, o contato regular com eles é crucial para este controle, pois é importante chegar a um resultado final que agrade o solicitante.

Podemos, tanto no planejamento quanto na revisão das entregas de um projeto, citar o PERT como uma poderosa ferramenta. Assim como o Gantt, o PERT também define prazos de tarefas, mas ele estipula também quais tarefas são indispensáveis para a realização das próximas e o prazo máximo e mínimo de uma tarefa para garantir o bom andamento do projeto como um todo.

 

Por fim…

Atingindo a etapa de finalização é feita toda a correção final do projeto e, caso você esteja lidando com um cliente, apresenta-se o produto final a ele (desenhos, simulações, relatórios, manuais, etc.) e, se tudo estiver nos conformes, é assinado um termo de aceite e o projeto é encerrado.

Ao planejar e entender como um projeto funciona, sua precaução e análise crítica se desenvolve rumo ao aumento da efetividade de cada ação tomada. A importância de fazer um planejamento confiável e utilizar metodologias eficazes é poder prever a viabilidade de um projeto e contornar empecilhos que poderiam atrasar, ou até mesmo comprometer o projeto.