O que é Ergonomia?

Ergonomia visa o bem-estar do colaborador nas tarefas laborais, que em consequência, promove dias mais produtivos, além da prevenção de lesões por esforço repetitivo (LER) ou acidentes de trabalho.
Com a Indústria 4.0 tomando cada vez mais espaço, o ambiente de trabalho é o mais afetado para o colaborador que precisa estar bem acomodado para executar as diferentes atividades do dia-a-dia.

 

Como você pode se atentar à ergonomia no trabalho?

Quando não temos o costume de alguma atividade, fica difícil incorporá-la no dia-a-dia, principalmente quando a atividade parece que não dá resultado, e uma ótima dica é parar por uns 5 minutos durante o dia de trabalho e fazer alguns exercícios de alongamento (espreguiçar) e respiração. Atividade que vai relaxar seu organismo e fazer você se sentir melhor quando terminar. Muitas empresas têm adotado esse procedimento através de paradas obrigatórias com o acompanhamento de um profissional de educação física ou fisioterapeuta, por exemplo.
Já falamos aqui no blog também, das 5 maneiras de reduzir custos na sua empresa, e um dos tópicos foi a respeito da disposição dos materiais no ambiente de trabalho, que influência diretamente no rendimento do funcionário.
Além da postura precisamos nos atentar a disposição dos móveis, utilização das máquinas e equipamentos, pois também são fatores que atenuam ou aceleram o desenvolvimento da empresa, e consequentemente diminuem ou aumentam o lucro no fim do mês. Muitas vezes, uma pequena alteração no ambiente ou uma otimização em algum maquinário, resultam em um melhor aproveitamento nos processos da empresa, tanto para os funcionários quanto na redução de custos com manutenção de máquinas para a mesma.

 

Por que você precisa de ergonomia no trabalho?

Não apenas no trabalho, mas em qualquer atividade que necessite esforço físico ou que seja frequente, exige-se que seja feito de maneira a não desgastar algum músculo, articulação ou prolongar os ciclos dos equipamentos utilizados. É questão de saúde e também de redução de custos.
Analisar o funcionamento das máquinas, se atentar ao manuseio destas pelos colaboradores, prestar atenção em como se levanta um objeto do chão, até mesmo onde você deixa seu telefone, também podem prejudicar no seu desempenho. Essas simples atividades parecem inofensivas, mas o somatório de diversos pequenos erros ao longo de um grande período de tempo, podem resultar tanto em uma lesão em um funcionário quanto em um mal funcionamento de um equipamento, ambos não produzindo de maneira eficiente.

 

Que benefícios um ambiente ergonômico pode trazer?

Quando um colaborador está cercado de conforto, tanto em escritório quanto em chão de fábrica, ele se sente menos cansado, tem menos incidência de doenças imunológicas e se sente mais motivado a se desenvolver mais e produzir mais pela empresa. E quando este produz mais e com mais qualidade, tanto o empregado quanto o empregador são beneficiados, pois o resultado do bom desempenho refletirá diretamente no lucro e desenvolvimento da empresa como um todo.

Com a modernidade, os processos industriais vêm sendo cada vez mais explorados com o objetivo de melhorar o desenvolvimento dos produtos e também padronizar etapas, gerando maior lucro com menos trabalho. A busca pela implementação de sistemas de gestão da qualidade, atua diretamente como uma forma de melhorar a qualidade de seus produtos e serviços.

E como esse processo de modernização está ligado com a parte de gestão da qualidade? Simples, a organização dos processos de qualquer departamento da empresa (ou dela toda), com padrões mínimos para o desempenho das atividades, cria um modelo de excelência que serve como guia para alcançar os melhores resultados. Para ser mais direto, utilizando um bom sistema de gestão da qualidade, a organização consegue controlar e melhorar qualquer processo de forma mais rápida e simples, atuando assim como uma ferramenta ótima para beneficiar a empresa.

A partir daí, entendemos a importância de um bom sistema de qualidade, e como estudar a empresa e fazer com que exista um controle que possibilite garantir a qualidade nos processos e serviços? Um pouco mais complicado, mas alcançável…

Implementar um tipo de sistema de gestão da qualidade pode ser complicado, dependendo do tamanho da empresa e dos processos, mas quanto mais desafiador, mais eficiente ele pode vir a se tornar. Para ter como base, o mais importante é considerar que a qualidade só traz benefícios, podendo ser diretos ou indiretos.

 

Figura 1

A qualidade nas empresas têm como referência a certificação emitida pela International Standardization Organization (ISO). Não há outro caminho para implementar a qualidade que não passe pela certificação da ISO.

A principal, que engloba processos de um modo geral, aplicável a diversos tipos de empresas, é a certificação ISO 9001. Existem outros certificados, mas fogem um pouco do foco geral.

E quais são os critérios para a concessão do selo ISO 9001? Para que ele seja concedido a uma empresa, deverão ser atendidas exigências nos seguintes campos:

– Foco no cliente

– Liderança

– Envolvimento das pessoas

– Abordagem por processos

– Abordagem sistêmica

– Melhoria contínua

– Decisões baseadas em fatos

– Relacionamento com fornecedores

Para garantir a conformidade, as empresas precisam implementar um Sistema de Gestão de Qualidade (SGQ). A partir do momento em que efetiva um SGQ, os processos são padronizados, o que permite medir com mais precisão os resultados.

Figura 2

Portanto, garantimos que o controle e gestão da qualidade caminhando juntos de forma efetiva podem, diretamente ou indiretamente, melhorar o desenvolvimento da empresa. A utilização de tal ferramenta permite que os processos possam ser cada vez mais sofisticados, dando para empresa, para seu produto ou até mesmo para o seu cliente uma satisfação muito grande. Empresas com gestão da qualidade implementada da forma correta, tendem a colher bons frutos em um tempo menor do que empresas que não utilizam dessa ferramenta. Você já deve ter escutado alguém dizer “tempo é dinheiro”, hoje descobrimos que “gestão da qualidade também é dinheiro”.

 

 

Você já ouviu falar sobre Engenharia Reversa? Acredito que sim! E consegue me dizer o que é? Se sua resposta for não, esse texto é para você. Depois de ler até o fim, volte para esse começo e refaça essas perguntas, com certeza terá respostas.

Quando desmontamos um brinquedo ou um aparelho que quebrou para ver seu funcionamento, ou mesmo por curiosidade e depois remontamos, temos o processo de Engenharia Reversa acontecendo. Quando criança, não tínhamos a preocupação em economizar dinheiro, e consequentemente não percebíamos que aquela simples curiosidade de desmontar algo realmente importava.

Foto 1: Brinquedo montado e desmontado.

 

Muitas vezes escutamos o termo “Engenharia Reversa”, no trabalho, na faculdade e até mesmo em rodas de conversa com amigos e parentes. Mas por que esse tema tem despertado tanto o interesse e a atenção de tantas pessoas e até mesmo grandes empresas no século XXI? Simples, a Engenharia Reversa tem sido uma forma muito fácil de reconhecer os pequenos processos que juntos, formam um projeto como um todo, que por meio de pesquisas e estudos tem como uma das principais importâncias avançar o conhecimento tecnológico das pessoas com foco nas atividades técnicas exercidas.

Sendo assim, a Engenharia Reversa vem ganhando muito espaço no mercado, principalmente por ser uma forma de baratear (ou diminuir) custos e aperfeiçoar um produto de acordo com a demanda do cliente.

Mas como funciona?

Como já dito, durante o século XXI, cada vez é mais valorizado formas de otimizar produtos e vende-los com qualidade mas ao mesmo tempo com um baixo custo. Para a indústria, o processo não é diferente, a melhoria dos produtos acontece através dessa técnica, cujo resultado reflete sob os lucros e aumento de vendas, consequentemente. Por exemplo, a China e o Paraguai são referências na engenharia reversa no mundo, pois seus produtos são reproduzidos de forma mais barata e simplificada do que os originais.

 

Como pensar em Engenharia Reversa de forma simples?

Se você tem como objetivo facilitar o dia a dia empresarial e desenvolver sua empresa, por meio da diminuição de custos, melhor aproveitamento de matéria prima ou até mesmo utilizar materiais de formas mais sustentáveis, será necessário se aperfeiçoar e fazer uma análise de como a Engenharia Reversa pode impactar sua empresa ou produto.

Um exemplo simples e prático… Participamos do desenvolvimento de um projeto chamado Calango, cujo objetivo foi sua otimização. Assim, o projeto foi recebido “finalizado” e a partir dai fizemos um processo de desconstrui-lo para entendermos um pouco melhor seu funcionamento e conhecer maneiras mais vantajosas de aperfeiçoa-lo para suprir a necessidade do cliente. Se encaixando perfeitamente como um exemplo de engenharia reversa. Você pode conferir um pouco mais sobre o desenvolvimento do projeto clicando aqui.

Foto 2: Projeto Calango.

Dúvidas ou sugestões? Entre em contato conosco, será um prazer tornar sua ideia possível.